5 de fev de 2011

Acesso Barato no Atacado

Governo Federal pretende derrubar preço da internet no atacado:
Ideia é que a Anatel desenvolva formas para impedir que concessionárias cobrem preços abusivos para instalar sua infraestrutura em locais onde têm pouco interesse comercial.
Ano passado o governo federal lançou o Plano Nacional de Banda Larga, PNBL, visando democratizar o acesso à internet no Brasil. Para que o plano seja posto em prática, porém, é preciso que as operadoras abracem a ideia e reduzam preços cobrados tanto pela internet para o varejo (a que você tem em casa) quanto no atacado.

Dados indicam que, atualmente, 74% do território nacional tem internet fornecida por empresas de pequeno e médio porte (o atacado), que alugam a infraestrutura das grandes teles e, desta forma, colaboram para que brasileiros de localidades distantes dos grandes centros urbanos tenham acesso à rede mundial de computadores.

O problema é que para um link de 1 Mbps, as pequenas e médias empresas pagam o valor de R$ 688. Ou seja, redistribuir isto aos consumidores torna o serviço ainda mais caro – além de ser uma velocidade relativamente baixa para ser dividida entre vários usuários finais, o que tornaria mais barata a contratação do serviço.

Ano passado, a Casa Civil determinou que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) fixasse o preço máximo deste aluguel em R$ 250. As concessionárias, porém, não estão de acordo com o valor e afirmam que o Governo não leva em conta os altos custos de manutenção destas linhas de transmissão.

A tréplica veio pela parte de Paulo Bernardo, ministro das Comunicações, que solicitou às concessionárias a abertura da planilha de custos. Assim será possível avaliar o quanto se gasta, realmente, com tal manutenção. A única operadora que disponibiliza estes dados é a Oi, pois tal prática faz parte dos acordos feitos com o Conselho Administrativo de Defesa Econômia (Cade) quando da aprovação da compra da Brasil Telecom.

A outra “carta na manga” do Governo Federal é o uso da Telebrás como operadora de internet, o que proporcionaria conexões de qualidade em todo o país e por um preço bem mais acessível e justo para o consumidor final.

autor: Douglas Ciriaco

Só lembrando que a velocidade de 1 Mbps da notícia é velocidade real. Não confundir com a velocidade nominal que as operadoras vendem pra gente.
Mas o papo entre as operadores e o Governo vai seguir até o final dos tempos. E as empresas de telefonia vão oferecer o produto que quiserem pelo valor que bem entenderem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu recado, sugestão ou opinião. Mas não toleramos ofensas, abusos ou spam. Todos os comentários são de inteira responsabilidade do autor. Obrigado.